CARAS Brasil
Busca
Facebook CARAS BrasilTwitter CARAS BrasilInstagram CARAS BrasilYoutube CARAS BrasilTiktok CARAS BrasilSpotify CARAS Brasil
Atualidades / ENTREVISTA

Isabel Fillardis reforça representatividade na TV: 'É disso que precisamos'

Em entrevista à Revista CARAS, a atriz Isabel Fillardis comenta um pouco mais sobre representatividade, trajetória na TV e maturidade

Felipe França e Mariana Silva
por Felipe França e Mariana Silva

Publicado em 19/03/2024, às 19h30

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Aos 50 anos, atriz analisa sua trajetória no audiovisual - Juliana Coutinho
Aos 50 anos, atriz analisa sua trajetória no audiovisual - Juliana Coutinho

Dona de uma carreira repleta de conquistas, a atriz, cantora e apresentadora Isabel Fillardis (50) fez sua estreia na TV na primeira versão de Renascer, com a personagem Ritinha. Em entrevista à Revista CARAS, ela analisa sua trajetória e comenta sobre representatividade no audiovisual: "É disso que precisamos".

Com mais de 30 anos dedicados à arte, Isabel relembra seu papel na novela de Benedito Ruy Barbosa (92) e analisa o mercado artístico ao longo dos anos: “Eu era uma menina preta no horário nobre e não estava num contexto de escravidão”.

Apesar da popularidade da palavra representatividade, acho que o mais importante é vermos o preto em papel de liderança. É disso que precisamos. De figuras populares representando a todos. Antes de mim, vieram outras que lapidaram a rota para que eu pudesse chegar”, comenta.

Atualmente, Isabel ainda revê seu trabalho em Gênesis, exibida em 2021, pela RecordTV. “Olho meus trabalhos antigos e me surpreendo. A arte me escolheu. Acho que realmente nasci para isso. Ter uma visão crítica em relação ao que passou é quase uma bobagem. Vejo tudo com muito carinho. A gente segue aprendendo diariamente. Segui e sigo o caminho certo. Sinto que fiz boas escolhas”, reflete.

Maturidade

Durante a conversa, a atriz também compartilhou um pouco mais sobre maturidade e maternidade: “Tudo muda. Tento ser o mais autêntica possível. Cheguei bem com a cabeça, mas meu físico, meu interior, começaram a mudar. Me deu desespero. A menopausa é uma loucura”, brinca.

Não existe trabalho de maior responsabilidade do que ser mãe. A gente precisa rever nossas atitudes o tempo inteiro. Ainda me cobro muito. Por sorte, eu sempre tive rede de apoio, do contrário, não conseguiria fazer tudo o que faço. Minha jornada é gigantesca”, finaliza.